Suspensa a venda de 33 marcas de azeite de oliva fraudado

A maior parte das fraudes foi feita com a mistura com óleo de soja e óleos de origem desconhecida

Azeite de Oliva (Reprodução)
Azeite de Oliva (Reprodução)

O Ministério da Agricultura suspendeu a comercialização de 33 marcas de azeites de oliva por terem sido adulteradas. Nesta etapa, foram identificados 59 lotes com irregularidades. A maior parte das fraudes foi feita com a mistura com óleo de soja e óleos de origem desconhecida. Houve redução na comparação com a ação divulgada em abril de 2018, quando a fraude envolveu 46 marcas, informa o ministério, em comunicado.

As marcas que praticaram fraudes foram:

Aldeia da Serra, Barcelona, Casa Medeiros, Casalberto, Conde de Torres, Dom Gamiero, Donana (premium), Flor de Espanha, Galo de Barcelos, Imperador, La Valenciana, Lisboa, Malaguenza, Olivaz, Oliveiras do Conde, Olivenza, One, Paschoeto, Porto Real, Porto Valencia, Pramesa, Quinta da Boa Vista, Rioliva, San Domingos, Serra das Oliveiras, Serra de Montejunto, Temperatta, Torezani (premium), Tradição, Tradição Brasileira, Três Pastores, Vale do Madero e Vale Fértil.

Estadão Conteúdo

Seu esgotamento e impaciência podem ser sintomas da Síndrome de Burnout

Outubro Rosa: uma em cada 12 mulheres terá diagnóstico de câncer de mama