Suspeito de estupros e usar nudes para extorquir mulheres é preso em MG

O acusado dos estupros não quis dar declarações no depoimento à polícia e afirmou que só vai falar em juízo.

Divulgação
Divulgação

Um motorista de 30 anos foi preso pela polícia em Juatuba (MG) suspeito de estupros, violação sexual mediante fraude e assédio sexual, os chamados crimes contra a dignidade sexual. Segundo as investigações, as vítimas eram obrigadas a assinar ao que foi apelidado de “contrato de escravidão”, em que o autorizavam a se apropriar de suas imagens nuas, além de gravar vídeos afirmando estarem de acordo com o documento.

De acordo com a Polícia Civil, os crimes eram praticados por Roney Shelb pela internet e começaram a ser descobertos após uma mulher registrar boletim de ocorrência. A investigação contabilizou até agora 96 vítimas, podendo chegar a quase 180, de 13 estados, mas as cidades não foram divulgadas.

Pelo apurado pela polícia até o momento, o homem ameaçava espalhar fotos e vídeos sensuais das pessoas que abordava por redes sociais caso não fizessem o que ordenava, como ter relações forçadas com ele e até com estranhos, além de mandar imagens nuas para o banco de dados montado em sua casa.

Shelb, acusado dos estupros, não quis dar declarações no depoimento à polícia e afirmou que só vai falar em juízo.

Primeiras fotos seriam pagas por até R$ 10 mil

A polícia não divulga as idades das vítimas, mas informou que uma é menor de idade. Segundo as investigações, na primeira conversa virtual, o suspeito oferecia entre R$ 4 mil e R$ 10 mil para ter acesso a fotos íntimas, as chamadas “nudes“. Não há informação se os valores foram ou não pagos.

Segundo o delegado do caso, a partir disso, começavam as ameaças. “Após os primeiros contatos, o indivíduo conseguia imagens íntimas das mulheres, oportunidade em que iniciavam as extorsões. Após serem ameaçadas, o autor obrigava as vítimas a enviarem vídeos eróticos e a se encontrarem com o mesmo, praticando uma série de estupros” afirmou Magno Machado Nogueira.

A investigação aponta que, com medo de serem expostas na internet, muitas mulheres foram violentadas depois de obrigadas a ir até Minas encontrar o motorista. Se não fossem, ele dizia que as mataria, bem como seus familiares.

Segundo a Polícia Civil, há pelo menos um relato sobre ele ter ordenado à vítima sair à rua para ter relação sexual com o primeiro homem que encontrasse, filmar e enviar o vídeo para o suspeito. Outras ameaçadas teriam cedido as senhas de suas redes sociais e praticado até zoofilia (sexo com animais).

Suspeito dos estupros tinha perfis falsos e vários números de WhatsApp

Com pelo menos três números de WhatsApp e três perfis falsos em redes sociais, o homem conversava com a mulher desesperada por ajuda em decorrência das ameaças, sem ela saber de quem se tratava. Como eram dominadas psicologicamente pelo suspeito, acabavam convencidas a se encontrar com o dono do outro perfil, que, na verdade, era ele mesmo, e obrigadas a ter relações, segundo as investigações.

Para tentar intimidar ainda mais as mulheres, o homem preso as obrigava a gravar vídeos autorizando o uso das imagens delas. As gravações cedidas pela polícia não são totalmente audíveis. Mas em uma dá para ouvir a mulher falando a data da gravação – julho de 2018 – e em seguida diz liberar o uso de suas fotos e vídeos. “Autorizo a usar todas as minhas imagens de fotos e vídeos como e quando ele quiser”.

Em outra filmagem, uma jovem se dirige a uma mulher e explica o motivo da gravação. “Estou fazendo esse vídeo só para você não duvidar da minha identidade, tá bom? Beijo”, ela diz no vídeo supostamente gravado no dia 2 de novembro, mas o ano não é dito.

No organograma do esquema criminoso, divulgado pela investigação, essa pessoa que faz a filmagem é identificada como aliciadora, possivelmente utilizada para convencer outras futuras vítimas a confiar em Shelb.

Uma grande área de vegetação e foi atingida e consumida pelo incêndio (Foto: PMMA/Divulgação)

Suspeito de causar grande incêndio próximo à Ituiutaba é preso pela PMMA

Bomba explode no bolso de torcedor do Flamengo