Polícia Civil prende 16 suspeitos de planejar invasão do Maracanã

Torcedor do Flamengo preso na operação da Polícia Civil na manhã desta terça-feira — Foto: Fernanda Rouvenat / G1
Torcedor do Flamengo preso na operação da Polícia Civil na manhã desta terça-feira — Foto: Fernanda Rouvenat / G1

A Polícia Civil do Rio de Janeiro desencadeou nesta terça-feira (22) a operação batizada de Olhos de Águia, que investiga um grupo de torcedores rubro-negros, suspeitos de planejar a invasão do Maracanã.

O estádio vai receber amanhã a segunda partida da semifinal da Taça Libertadores da América, entre Flamengo e Grêmio.

O último balanço indica a prisão de 16 suspeitos de planejar o ataque e outros crimes,  no entorno do estádio. Os presos foram encaminhados para a Cidade da Polícia, no Jacarezinho.

Com base na investigação, que monitorou as redes sociais do grupo, foram expedidos 27 mandados de prisão pelo Juizado Especial do Torcedor e Grandes Eventos, além de 89 mandados de intimação.

Em nota, a Secretaria de Estado de Polícia Civil informou que os suspeitos trocavam mensagens em um grupo criado para programar a invasão ao estádio no dia da partida. Nos áudios interceptados, havia ameaça para matar policiais, praticar roubos, causar danos e constranger os torcedores do Grêmio.

Durante a apuração, mais de 100 integrantes da organização criminosa foram identificados.

De acordo com a delegada Carina Bastos, titular da 18ª Delegacia de Polícia, responsável pela operação, a rapidez nas diligências para identificar os participantes foi fundamental para realizar as prisões cautelares e impedir que grupo conseguisse realizar a invasão. A delegada informou que os presos são acusados de associação criminosa.

Carina Bastos ressaltou ainda que a criação do grupo no WhatsApp foi identificada na sexta-feira e o tom das conversas promovia muita violência.

A delegada confirmou que no cumprimento de um dos mandados, na comunidade do Jacarezinho, a equipe da Coordenadoria de Recursos Especiais (Core) foi recebida a tiros e revidou. Uma pessoa morreu e dois feridos foram levados para o Hospital Souza Aguiar. O caso está sendo investigado pela Delegacia de Homicídios da Capital. 

As equipes da Core ainda estão nas ruas para cumprir os mandados.

A investigação prossegue e podem ser expedidos novos mandados de prisão. A polícia ainda não decidiu se haverá restrição judicial para a presença de algum torcedor no jogo desta quarta-feira (23). 

O balanço final deve ser divulgado no fim do dia.

Helicóptero Arcanjo atende toda a região do Triângulo Mineiro (Foto: Bombeiros/Divulgação)

Bombeiros recebem treinamento para acionar o helicóptero ‘Arcanjo’

(Esq) Pe. Edivan Queiroz, Caetano Neto da Luz, Luciano Belchior, Ivo Américo e Neide Martins (Foto: Paulo Braga)

Com debates acalorados, vereadores realizam sessão Legislativa em Capinópolis