Polícia Civil prende cracker de Uberlândia que invadiu sites públicos

Os hackers utilizam seu conhecimento para melhorar softwares de forma legal e nunca invadem um sistema com o intuito de causar danos. No entanto, os crackers têm como prática a quebra da segurança de um software e usam seu conhecimento de forma ilegal

Divulgação/PCMG
Divulgação/PCMG

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) prendeu, em Uberlândia, um homem de 23 anos que invadiu sites de órgãos da iniciativa pública, tais como: PCMG, Ministério Público de Minas Gerais, Exército Brasileiro, Tribunal de Justiça do Estado de Goiás entre outros.

“Em julho, o site da PCMG foi invadido, a partir daí iniciamos a investigação para poder descobrir a identidade real deste cracker”, esclareceu Danielle Aguiar Carvalho, Delegada responsável pelo caso.

Ainda segundo Danielle, ele utilizava uma técnica chamada “Deface”, que consiste na realização de modificações de conteúdo e estética de uma página da web. “Ele entrava nestes sites e ‘pichava’ a página com mensagens de cunho político. Ainda estamos investigando se ele teve acesso a dados sigilosos. Ele fazia questão de se vangloriar pelo sucesso de suas ações, visando obter uma fama dentro do meio dos crackers”.

A investigação apontou que o jovem também invadiu alguns sites de loja de grande varejo. “Ele conseguiu os dados do cartão de crédito dos clientes que cadastraram nestas lojas e, com esses dados, fez compras para consumo próprio”, concluiu a Delegada.

Após vários meses de investigação ininterrupta, a Justiça expediu o mandado de prisão preventiva, que foi cumprido na última semana.

O homem responde, até o momento, pelos crimes de estelionato e invasão de dispositivo informático.

Cracker x Hacker

Os hackers utilizam seu conhecimento para melhorar softwares de forma legal e nunca invadem um sistema com o intuito de causar danos. No entanto, os crackers têm como prática a quebra da segurança de um software e usam seu conhecimento de forma ilegal.

Veículo capota na MGC 462 e deixa 2 homens feridos

(Esq) Daniel França, Caetano Neto, Luciano Belchior, Ivo Américo, Suely Pricinoti, Gilvan Gama, Aparecido Ribeiro, João Makhoul — ao fundo — Neide Martins e Bernaldo Evaristo Cabral (Foto: Paulo Braga/Tudo Em Dia)

Com R$100 mil da Câmara de Capinópolis, cirurgias no hospital Faepu vão continuar