Maiara e Maraisa chamam de “absurdo” charge em que usam braçadeira nazista

Maiara e Maraisa (Foto: Reprodução)
Maiara e Maraisa (Foto: Reprodução)

A dupla sertaneja Maiara e Maraisa afirmou hoje que tomará medidas jurídicas contra a coluna “Silêncio sobre Roberto Alvim reinou entre o pessoal do axé, do sertanejo e do pagode (veja)“, publicada hoje no jornal Folha de S. Paulo.

O texto, escrito por Anderson França, trazia uma ilustração feita pelo autor em que a dupla usa uma braçadeira com a suástica nazista. Após a manifestação das cantoras, a imagem foi retirada do texto.

Em uma nota de repúdio, as cantoras afirmam que “associar a dupla ao nazismo é uma grande irresponsabilidade e uma agressão às cantoras que repudiam toda e qualquer atitude que remeta a essa época tão sombria da história”.

O comunicado também diz que “o departamento jurídico das artistas já foi acionado para que os responsáveis respondam juridicamente pelos seus atos”.

Ver essa foto no Instagram

NOTA DE REPÚDIO ⠀ Nesta terça-feira, 21 de janeiro, foi publicado no jornal Folha de São Paulo, na coluna do Anderson França, o texto “Silêncio sobre Roberto Alvim reinou entre o pessoal do axé, do sertanejo e do pagode”, que faz crítica a alguns segmentos da classe artística brasileira. ⠀ Uma ilustração, feita pelo mesmo autor do texto, mostra a dupla Maiara e Maraisa usando uma braçadeira com uma suástica nazista. Em tempos onde alimentar o ódio na web virou rotina, nos deparamos com tamanho absurdo. ⠀ Associar a dupla ao nazismo é uma grande irresponsabilidade e uma agressão as cantoras que repudiam toda e qualquer atitude que remeta a essa época tão sombria da história. ⠀ Podemos fazer uma breve reflexão: Quem alimenta o ódio? Quem cultiva a discórdia? Pessoas que por escolha própria preferem não se posicionar publicamente ou alguém que se posiciona atacando e tirando conclusões que ultrapassam o limite da crueldade? ⠀ Maiara e Maraisa sempre foram e serão a favor da liberdade de imprensa, mas para tudo há de se ter bom senso e responsabilidade. ⠀ Diante de tamanha agressão e irresponsabilidade, o departamento jurídico das artistas já foi acionado para que os responsáveis respondam juridicamente pelos seus atos. ⠀ Maiara e Maraisa, neste momento pedem aos seus fãs que não alimentem o mal, não alimentem a mentira e mostrem que podemos respeitar o próximo, concordando ou não com suas opiniões.

Uma publicação compartilhada por Maiara e Maraisa (@maiaraemaraisa) em

Charge é retirada, e Folha pede desculpas

Após Maiara e Maraisa divulgarem o comunicado, a Folha retirou do texto a charge e incluiu na coluna uma nota da redação, pedindo desculpas às cantoras.

“A Folha pede desculpas à dupla Maiara e Maraisa pela ilustração de autoria de Anderson França publicada em artigo do colunista nesta terça (21). Não há na biografia da dupla nada que possa associá-la ao símbolo odioso que foi inserido. A ilustração já foi retirada do ar, em respeito à dupla e também por não coincidir com a orientação editorial do jornal”, diz a nota.

Maraisa chegou a repostar comentários de fãs criticando a coluna em seus stories, mas a posição da nota é para que os “fãs que não alimentem o mal, não alimentem a mentira e mostrem que podemos respeitar o próximo, concordando ou não com suas opiniões”.

A coluna faz uma cobrança aos artistas mais escutados do Brasil sobre a falta de posicionamento deles em relação ao vídeo publicado pelo ex-secretário da Cultura, Roberto Alvim, onde ele copiou trechos de discursos do ex-ministro nazista Joseph Goebbels.

Além de Maiara e Maraisa, são citados Thiaguinho, Ivete Sangalo, Anitta, Kefera e Whindersson Nunes.

O humorista piauiense respondeu a citação na coluna nas redes sociais. Em uma série de posts” no Twitter, Whindersson fez ofensas e gestos obscenos, mas afirmou que “Eu não fico em rede social dizendo ‘o fogo queima, ‘a água molha’, nem que ‘NAZISMO É INADMISSÍVEL’ POR QUE ISSO É ALGO UNÂNIME”.

Whindersson ainda falou que apoia atores nordestinos com seu projeto.

Ex-presidente da Vale e outros 15 são denunciados por homicídio doloso na tragédia de Brumadinho

Conheça as atividades excluídas do MEI em 2020