Chile relembra dez anos de terremoto que assolou o país

No dia 27 de fevereiro de 2010 o Chile enfrentou um terremoto de 8,8 graus na escala Richter, seguido de um tsunami com ondas de mais de 3 metros. O fenômeno foi o segundo mais forte da história do país e deixou um saldo de 525 mortos e centenas de feridos, além de um rastro de devastação.

Hoje (27), o presidente do país, Sebastián Piñera, visitará a região de Biobío, uma das mais afetadas pelo sismo, e se reunirá com familiares de mortos e desaparecidos.

Eram 3h34 da madrugada do dia 27 de fevereiro de 2010, quando o terremoto, que durou cerca de 3 minutos, sacudiu o país e afetou a costa da maioria das regiões do Chile e parte do território insular. As ondas, provocadas pelo tsunami que se formou em consequência do sismo, chegaram a outros países das Américas, além de Oceania e Ásia.

Dois milhões de chilenos foram afetados, 525 pessoas morreram e 23 ficaram desaparecidas. O evento atingiu 233 municípios. Mais de 500 mil casas foram danificadas, além de 133 hospitais e mais de 6 mil escolas em todo o país.

Eixo da Terra

Estudos da Nasa, a agência espacial americana (National Aeronautics and Space Administration, em inglês), feitos à época, mostraram que o sismo pode ter inclinado o eixo da Terra em 2,7 milissegundos de arco (cerca de 8 centímetros).

Chamado de 27-F, o sismo foi o segundo mais violento da história do país, mais leve apenas do que o evento conhecido como o “Grande Terremoto do Chile”, ocorrido em 1960, que teve magnitude de 9,5 graus na escala Richter e deixou um saldo de mais de 2 mil mortos.

Engenharia antissísmica

Uma década depois do terremoto, o Chile é reconhecidamente exemplo de engenharia antissísmica, com mecanismos eficientes de dissipação e amortecimento e infraestrutura preparada para encarar movimentos telúricos de magnitude.

Povoados de pescadores situados à beira do mar, foram transferidos para áreas mais altas, em cima de colinas. Casas com tecnologia antitsunami foram construídas sobre pilotis, para permitir a passagem da água, sem que a estrutura seja comprometida.

Nas cidades grandes, alguns prédios têm agora sistemas de amortecimento com pêndulos antissísmicos que servem de contrapeso ao movimento do edifício no caso de terremotos.

Bolsonaro ainda não decidiu se prorroga GLO no Ceará

Contas públicas tem superávit recorde de R$ 44,12 bi em janeiro