Sarampo: Rio cumpre um terço da meta estabelecida

A campanha de vacinação contra o sarampo termina hoje (13), e o Rio de Janeiro ainda precisa vacinar cerca de 2 milhões de pessoas para cumprir a meta estabelecida de proteger o estado contra a doença. De acordo com a Secretaria estadual de Saúde, ao todo, 1 milhão de pessoas foram vacinadas, o que corresponde a um terço da meta de 3 milhões do governo do estado. 

A campanha começou no dia 13 de janeiro e mobilizou os 92 municípios fluminenses. A faixa etária recomendada para a vacinação é de 6 meses de idade aos 59 anos, mas as crianças fazem parte do grupo mais vulnerável, representando cerca de 60% dos casos. Os dados de vacinação foram divulgados na segunda-feira (9), ainda durante a campanha, podendo ter alterações.

Hoje (13) termina também a Campanha Nacional de Vacinação voltada para crianças e jovens com idade entre 5 e 19 anos. A campanha estadual tem uma abrangência maior, convocando também bebês e adultos para tomar a vacina.  

Mesmo com o fim da campanha, as pessoas ainda podem se vacinar. A vacina é fornecida pelo Ministério da Saúde e está disponível gratuitamente nos postos de saúde municipais durante todo o ano, conforme prevê o calendário nacional de imunização.

Sarampo

O sarampo é uma doença altamente contagiosa, transmitida por meio da fala, da tosse e do espirro. Os principais sintomas são mal-estar geral, febre, manchas vermelhas que aparecem no rosto e vão descendo por todo o corpo, tosse, coriza e conjuntivite. 

Com o retorno da doença, o Brasil perdeu, no ano passado, o status de país livre do sarampo , concedido pela Organização Mundial da Saúde em 2016. 

Segundo o Ministério da Saúde, em 2019 foram registrados 18,2 mil casos de sarampo em 526 municípios. Em São Paulo, houve 14 mortes e em Pernambuco, uma. O maior número de casos também foi registrado em São Paulo, 16 mil.

Casos no Rio

No Rio de Janeiro, o sarampo também causa preocupação. Neste ano, uma criança morreu em decorrência da doença. A vacinação, segundo a secretaria, é decisiva para conter os números de casos no estado. 

Em 2020, de acordo com o órgão, foram confirmados 276 casos de sarampo no estado do Rio, distribuídos nos municípios de Armação de Búzios (2), Barra do Piraí (1), Belford Roxo (15), Duque de Caxias (53), Japeri (1), Maricá (1), Mesquita (2), Nilópolis (4), Niterói (27), Nova Friburgo (16), Nova Iguaçu (30), Paty do Alferes (1), Petrópolis (3), Queimados (2), Rio Bonito (4), Rio de Janeiro (91), São João de Meriti (17) e Teresópolis (6). No ano passado, foram registrados 470 casos da doença.

No site da Secretaria de Estado de Saúde está disponível a lista dos locais de vacinação disponíveis até esta sexta-feira.

Quem apresentar doenças agudas febris moderadas ou graves, recomenda-se adiar a vacinação até modificação do quadro com o objetivo de não se atribuir à vacina as manifestações da doença. Também não é indicado o imunizante a quem recebeu imunoglobulina, sangue e derivados, transplantados de medula óssea, e também a quem apresenta alergia ao ovo e gestantes.

Massacre em Suzano faz um ano e governo aumenta segurança em escolas

Novos casos de infecção por coronavírus caem para um dígito na China

Sarampo: Rio cumpre um terço da meta estabelecida

A campanha de vacinação contra o sarampo termina hoje (13), e o Rio de Janeiro ainda precisa vacinar cerca de 2 milhões de pessoas para cumprir a meta estabelecida de proteger o estado contra a doença. De acordo com a Secretaria estadual de Saúde, ao todo, 1 milhão de pessoas foram vacinadas, o que corresponde a um terço da meta de 3 milhões do governo do estado. 

A campanha começou no dia 13 de janeiro e mobilizou os 92 municípios fluminenses. A faixa etária recomendada para a vacinação é de 6 meses de idade aos 59 anos, mas as crianças fazem parte do grupo mais vulnerável, representando cerca de 60% dos casos. Os dados de vacinação foram divulgados na segunda-feira (9), ainda durante a campanha, podendo ter alterações.

Hoje (13) termina também a Campanha Nacional de Vacinação voltada para crianças e jovens com idade entre 5 e 19 anos. A campanha estadual tem uma abrangência maior, convocando também bebês e adultos para tomar a vacina.  

Mesmo com o fim da campanha, as pessoas ainda podem se vacinar. A vacina é fornecida pelo Ministério da Saúde e está disponível gratuitamente nos postos de saúde municipais durante todo o ano, conforme prevê o calendário nacional de imunização.

Sarampo

O sarampo é uma doença altamente contagiosa, transmitida por meio da fala, da tosse e do espirro. Os principais sintomas são mal-estar geral, febre, manchas vermelhas que aparecem no rosto e vão descendo por todo o corpo, tosse, coriza e conjuntivite. 

Com o retorno da doença, o Brasil perdeu, no ano passado, o status de país livre do sarampo , concedido pela Organização Mundial da Saúde em 2016. 

Segundo o Ministério da Saúde, em 2019 foram registrados 18,2 mil casos de sarampo em 526 municípios. Em São Paulo, houve 14 mortes e em Pernambuco, uma. O maior número de casos também foi registrado em São Paulo, 16 mil.

Casos no Rio

No Rio de Janeiro, o sarampo também causa preocupação. Neste ano, uma criança morreu em decorrência da doença. A vacinação, segundo a secretaria, é decisiva para conter os números de casos no estado. 

Em 2020, de acordo com o órgão, foram confirmados 276 casos de sarampo no estado do Rio, distribuídos nos municípios de Armação de Búzios (2), Barra do Piraí (1), Belford Roxo (15), Duque de Caxias (53), Japeri (1), Maricá (1), Mesquita (2), Nilópolis (4), Niterói (27), Nova Friburgo (16), Nova Iguaçu (30), Paty do Alferes (1), Petrópolis (3), Queimados (2), Rio Bonito (4), Rio de Janeiro (91), São João de Meriti (17) e Teresópolis (6). No ano passado, foram registrados 470 casos da doença.

No site da Secretaria de Estado de Saúde está disponível a lista dos locais de vacinação disponíveis até esta sexta-feira.

Quem apresentar doenças agudas febris moderadas ou graves, recomenda-se adiar a vacinação até modificação do quadro com o objetivo de não se atribuir à vacina as manifestações da doença. Também não é indicado o imunizante a quem recebeu imunoglobulina, sangue e derivados, transplantados de medula óssea, e também a quem apresenta alergia ao ovo e gestantes.

Massacre em Suzano faz um ano e governo aumenta segurança em escolas

Novos casos de infecção por coronavírus caem para um dígito na China