Professora de Canápolis entra em brincadeira e reencontra ex-alunos em rede social

A brincadeira consiste no professor efetuar uma postagem em alguma rede social, questionando onde estão e o que estão fazendo os ex-alunos

Este período de pandemia, proporcionado pelo novo coronavírus (Covid-19), tem sido difícil para algumas pessoas, principalmente, pela questão do isolamento social. De uma forma criativa, muitos optam por passar o tempo interagindo nas redes sociais.

E foi em um deste momentos que uma professora de Canápolis, no Triângulo Mineiro, resolveu aderir a uma brincadeira nas redes sociais e interagir com ex-alunos. A educadora Alessandra Pidruca quis saber por anda os ex-alunos.

A interação acontece da seguinte forma: O professor efetua uma postagem em alguma rede social, questionando onde estão e o que estão fazendo os ex-alunos. E foi o que fez a professora de Canápolis. “Vou aderir à brincadeira … Você foi meu aluno? Por onde anda? O que faz?”

O resultado da brincadeira foi surpreendente. Diversos ex-alunos da professora Alessandra se manifestaram de diversas regiões do Brasil e até ex-alunos que moram fora do país interagiram.

Muitos relembraram como foi sua época na escola em Canápolis. “Você me ensinou muito mais do que apenas como professora…Estou em SjCampos-Sp, sou Psicóloga Organizacional, casada e tenho 01 lindo filho (SIC)”, comentou a ex-aluna Nayara Alcântara Lima Silva.

Brunna Dantas relembrou a paixão da turma pela professora Alessandra. “Simmmm.. fui sua aluninha no 2° ano do ensino fundamental!!!!!!!! Alegre, divertida, animada! Era todo mundo apaixonado pela tia Alê (SIC)”.

Ao Tudo Em Dia, a educadora Alessandra Pidruca afirmou que se sentiu muito valorizada como professora, e ficou muito feliz com os resultados da brincadeira na rede social. Também pontuou que sempre gostou de trabalhar com oralidade, e hoje em dia trabalha como coordenadora do departamento de cultura e como vice-diretora de uma escola em Canápolis.

Até a publicação desta edição, a postagem da educadora já registrava mais de duzentos comentários.

Há pouco mais de 12 anos, Alessandra Pidruca deixou a sala de aula. Atualmente é vice-diretora em uma escola estadual e trabalha Educação Patrimonial através da Casa de Cultura de Canápolis.

Carreira profissional

Alessandra Pidruca nos tempos em que atuava como professora | Foto: Arquivo Pessoal
Alessandra Pidruca nos tempos em que atuava como professora | Foto: Arquivo Pessoal

Em 1998 iniciou sua carreira como professora no ensino médio. Na ocasião, foi contratada como substituta de uma professora renomada na cidade, Luzia Ferro.

Pela paixão que já demonstrava pela profissão, logo foi efetivada como professora nos anos iniciais do ensino fundamental I.

Foi professora de Ciências Biológicas e Fundamental II Ciências. Por quase 10 anos, trabalhou os conteúdos de Ciências, Biologia e os conteúdos das séries iniciais.

Desde 2007 é vice-diretora da Escola Estadual São Francisco de Assis e trabalha Educação Patrimonial através da Casa de Cultura, onde coordena o departamento de Cultura.

“Para mim, mais do que uma profissão ou uma forma de sustento, entendo a educação como uma missão tríplice: é uma vocação pessoal que carrego em mim desde tenra idade, pois nunca pensei em ter outra profissão; é o exercício de uma atividade cidadã, pois muito me entristece e incomoda o conturbado contexto social em que estamos imersos em nossa cidade e entendo que tão somente a educação poderá alterar esse quadro; é uma forma contributiva de deixar um legado, na medida em que plantando os frutos da boa educação contribuirei na prática para uma sociedade mais estruturada e justa, baseada em valores sólidos”, frisou a professora Pidruca.

Professora que fez o talento dos alunos brilhar

Sob supervisão da professora Alessandra, vários projetos de grande repercussão já foram realizados com os alunos.

Em 2015, os alunos da professora ficaram em terceira colocação na feira internacional “Ciência Jovem”, realizada em Pernambuco. Os alunos se destacaram na categoria Iniciação Científica e apresentaram o projeto “Efeito Estufa não é bicho papão”.

Momento da premiação na feira internacional “Ciência Jovem” de Pernambuco (Foto: Arquivo Pessoal)

Em 2016 um projeto de combate ao Aedes aegypti foi executado, onde os alunos participaram de uma feira de ciências do Instituto Luterano de Ensino Superior de Itumbiara (ILES/ULBRA). Os pequenos e ficaram em primeiro lugar.

Um vídeo foi produzido e adaptado para participar do concurso Zika Zero do Ministério da Saúde. Com o vídeo, venceram o concurso e foram à Brasília com o voo e todas as despesas pagas. A matéria foi destaque nacional na Tv Escola. Assista ao vídeo:

Em 2017, coordenou o projeto ‘Café com Poesia’. O projeto cultural chegou a ser reconhecido pelo escritor Ziraldo. Veja:

Alunos interpretaram escritores famosos no

Também em 2017, realizou a encenação teatral que contou a história de Orlando Sabino – O ‘Monstro’.

Imagens da prisão do Orlando Sabino em 1974 e do teatro em 2017 / A foto original da prisão de Orlando Sabino faz parte do acervo pessoal de Janeir Parreira Reis de Lima, morador de Capinópolis (MG).
Imagens da prisão do Orlando Sabino em 1974 e do teatro em 2017 / A foto original da prisão de Orlando Sabino faz parte do acervo pessoal de Janeir Parreira Reis de Lima, morador de Capinópolis (MG).

Em 2019, supervisionou o “nascimento” dos personagens Patrimoninho e Culturinha, promotores da cultura em Canápolis.

 'Patrimoninho' e 'Culturinha' (Foto: Divulgação)
‘Patrimoninho’ e ‘Culturinha’ (Foto: Divulgação)

A iniciativa pioneira surgiu da equipe do setor de Patrimônio do Departamento de Cultura do município. ‘Patrimoninho’ e ‘Culturinha’ foram designados os ’embaixadores da cultura canapolina’.

Alessandra Pidruca anuncia os personagens  'Patrimoninho' e 'Culturinha' (Foto: Divulgação)
Alessandra Pidruca anuncia os personagens ‘Patrimoninho’ e ‘Culturinha’ (Foto: Divulgação)

Também em 2019, coordenou a encenação de um juri simulado em Canápolis. O objetivo foi embasado na conscientização dos alunos sobre patrimônio histórico.

Fotos da carreira da educadora

Ação conjunta da PCMG e PCGO recupera 34 cabeças de gado furtadas em Prata

Homem de 30 anos mata padrasto a golpes de machado em Chaveslândia