Missa marca a abertura da 1ª safra da usina CRV Industrial em Capinópolis

Após dois anos e quatro meses de preparação, a usina iniciará a moagem em terras mineiras nos próximos dias

Pe. Eduardo Santos celebra missa para abençoar a início da primeira safra. Os espectadores acompanharam a celebração usando máscaras, devido a pandemia de Covid-19 (Imagem: Paulo Braga / Gabriel Kazuto)
Pe. Eduardo Santos celebra missa para abençoar a início da primeira safra. Os espectadores acompanharam a celebração usando máscaras, devido a pandemia de Covid-19 (Imagem: Paulo Braga / Gabriel Kazuto)

A usina sucroalcooleira CRV Industrial celebrou o início da primeira safra em Capinópolis, no Triângulo Mineiro. Uma missa realizada no início da manhã deste domingo (12.abr.2020) marcou o início do primeiro ciclo de produção da unidade.

Devido à pandemia de Covid-19, o acesso ao evento foi restrito e obedeceu medidas de segurança.

Veja:

Padre Eduardo Santos — da paróquia Nossa Senhora Aparecida, de Ipiaçu— celebrou a missa. O religioso relembrou o período caótico quando a antiga Vale do Paranaíba encerrou as atividades no local. Ressaltou ainda, a satisfação da unidade ter sido adquirida pelo Grupo Japungu, dando origem à unidade mineira da CRV Industrial.

Além de movimentar a economia local, a safra é responsável pela geração de centenas de postos de trabalho diretos e indiretos. Atualmente, cerca de 900 colaboradores estão registrados na CRV Industrial e no Condomínio Agrícola.

O sócio diretor da unidade, Paulo Filho, destacou o ambiente familiar que a empresa adota. “Quem faz a história da empresa são os funcionários, a família CRV. Tanto aqui em Minas, em Goiás, como na Paraíba, a gente tem uma grande admiração, um grande respeito, e temos um boa convivência com todos, para a gente isso é uma família. A realização do trabalho de todo mundo que chegou aqui no começo, toda família CRV se dedicou, trabalhou e estamos aqui agora juntos, para, se Deus quiser, essa semana, a gente dar partida na nossa primeira moagem”, destacou o gestor, que acompanha diariamente todas as operações da empresa, do campo à indústria.

O diretor Paulo Filho durante entrevista ao Tudo Em Dia (Foto: Gabriel Kazuto)
O diretor Paulo Filho durante entrevista ao Tudo Em Dia (Foto: Gabriel Kazuto)

Após um período de preparação de dois anos e quatro meses, a expectativa para a primeira moagem de cana-de-açúcar é grande entre os profissionais envolvidos.

O supervisor de extração, Wagner Santos, ressaltou que a equipe está focada. “As expectativas são as melhores, a gente vem de um desafio muito grande e nos preparamos da melhor maneira possível. Foi muito trabalho, toda equipe focada. Agora é hora da gente colher o fruto”, disse o supervisor.

A previsão é de produzir etanol anidro e hidratado a partir desta semana. A produção de açúcar está sendo planejada para o segundo semestre de 2020.

Empenhados em iniciar as atividades industriais da CRV desde a aquisição da antiga Vale do Paranaíba, Amauri Barros, gerente financeiro e Michelle Pereira, coordenadora de RH, salientaram o momento ímpar.

“Nós que chegamos aqui no final de 2017, com tantos sonhos, tantas expectativas (…) tudo foi feito para que, no fim, essa empresa moesse. E ressaltar que tínhamos dez funcionários e hoje já passamos de novecentos. É geração de emprego, geração de renda, mesmo com toda essa pandemia a qual estamos passando, a CRV está firme, trabalhando com responsabilidade, com muito amor no coração. O coração transbordando de alegria por esse momento”, disse Michelle Pereira, emocionada.

“Antes, estávamos fazendo um livro, fazendo a capa, colocando as páginas, hoje, vamos começar a escrever. A nossa história começa a partir de agora”, afirmou Amauri Barros.

Wagner Ribeiro, enfermeiro, frisou que a união de força trará o sucesso tão almejado. “A perspectiva é que a empresa retome suas atividades e alcance bons êxitos em todos os feitos, conforme o trabalho, conforme o desempenho, conforme a perspectiva de cada um”.

Padre Eduardo Santos destacou o dia de páscoa e fez alusão ao renascimento das atividades industriais da unidade, após ser adquirida pelo Grupo Japungu. “É um momento de ressurreição. Foi um belo dia que escolheram, o dia da páscoa. Essa usina para nós, é uma vida, nós ficamos uns bons anos sem ela, nós sofremos muito. Então é muito importante estar aqui abençoando, estar aqui louvando a Deus, estar aqui recomeçando essa nova etapa. Que Deus possa estar a frente nessa nova fase, que seja um momento de vida, e vida em plenitude, que é a mesma vida que Jesus trouxe”.

Após a missa, pe. Eduardo abençoou todos os setores da empresa.

Pe. Eduardo Santos abençoou todos os setores da empresa (Foto: Paulo Braga / Gabriel Kazuto)
Pe. Eduardo Santos abençoou todos os setores da empresa (Foto: Paulo Braga / Gabriel Kazuto)

Fotos:

Dois anos intensos de preparação

Usina CRV Industrial vem transformando Capinópolis e a região com geração de empregos diretos, indiretos e consequentemente, movimentando a economia local.

Neste dois anos e quatro meses de preparação, muitos investimentos foram realizados e ações diversas foram concretizadas. Um grande exemplo é o respeito às pessoas e ao meio ambiente, que reforça o compromisso da empresa com o progresso e o desenvolvimento da comunidade.

Confirmado o primeiro caso de Covid-19 em Ituiutaba

Morre o cantor Moraes Moreira aos 72 anos