Órgãos federais e do Acre combatem desmatamento, grilagem e queimadas

Diversos órgãos federais, entre eles a Polícia Federal e o Ibama, iniciaram nesta semana a Operação Amazônia Legal contra o desmatamento e as queimadas na floresta amazônica do Estado do Acre.

Na quarta-feira (13), a PF prendeu oito pessoas em flagrante, além de apreender duas espingardas, cinco motosserras e insumos destinados ao desmatamento, como combustíveis, óleos e correntes que serviam de acessórios às motosserras.

Mandados de busca e apreensão foram cumpridos em várias sedes rurais no Projeto de Assentamento Agroextrativista Antimary. Embora destinada exclusivamente às comunidades tradicionais extrativistas, a área vem sendo alvo de grileiros e desmatadores da região de Rio Branco e Sena Madureira, que buscam promover invasão de terras federais, desmatamento e ampliar pastagens para o gado sem o consentimento do Incra.

Informações técnicas, mapas e dados geoespaciais produzidos por uma equipe da Secretaria de Meio Ambiente do Acre estão subsidiando as ações de comando e controle em andamento no interior do Estado.

O Exército também participa das ações. No último dia 7 de maio, um decreto assinado pelo presidente Jair Bolsonaro autorizou a atuação das Forças Armadas no combate ao desmatamento ilegal e a focos de incêndio na Amazônia Legal.

Os militares vão atuar até o dia 10 de junho em ações preventivas e repressivas na faixa de fronteira, terras indígenas, unidades federais de conservação ambiental e em outras áreas federais nos estados da região.

São Paulo assina maior contrato de concessão de rodovias do país

Homem é preso por suspeita de fazer parte de organização criminosa