Mercado financeiro prevê queda de 5,89% na economia este ano

Na 15ª revisão seguida para a estimativa do Produto Interno Bruto, a previsão do mercado financeiro para a queda da economia brasileira este ano chegou a 5,89%.

Na semana passada, a previsão de queda estava em 5,12%.

A estimativa consta do boletim Focus, que traz a projeção para os principais indicadores econômicos e é publicado semanalmente pelo Banco Central.

Para 2021, a previsão para o crescimento do PIB passou de 3,20% para 3,50%; e para 2022 e 2023 continua em 2,50%.

Já a cotação do dólar deve fechar o ano em R$ 5,40. No boletim anterior, a previsão era R$ 5,28.

Para 2021, a expectativa é que a moeda americana fique em R$ 5,03, contra R$ 5 da semana passada.

Sobre a previsão de inflação de 2020, a projeção das instituições financeiras consultadas pelo Banco Central para o IPCA – que é o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – caiu pela 11ª vez seguida, ao passar de 1,59% para 1,57%.

Para 2021, a estimativa de inflação também foi reduzida, de 3,20% para 3,14%.

A previsão para os anos seguintes – 2022 e 2023 – permanece em 3,50%.

Também não houve alteração em relação a semana passada. A expectativa do mercado financeiro em relação a Selic é que encerre 2020 em 2,25% ao ano.

Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica.

Para o fim de 2021, a expectativa é que a taxa básica chegue a 3,29% ao ano. A previsão da semana passada era 3,50%. Para 2022, as instituições reduziram a previsão para a taxa anual de 5,25% para 5,13%; e, para o fim de 2023, a estimativa segue em 6%.

60% do emprego doméstico é impactado pelas medidas de isolamento social

Comunidades pesqueiras do Amapá enfrentam condições precárias devido à pandemia, revela estudo