Ex-candidato a presidente, pastor Everaldo é preso no RJ

O pastor foi candidato nas eleições presidenciais em 2014 e foi preso após investigações que apuram desvios na saúde do Rio de Janeiro

Pastor Everaldo | Foto: Reprodução
Pastor Everaldo | Foto: Reprodução

Rio de Janeiro. O presidente do PSC nacional, pastor Everaldo, 64 anos, foi preso pela Polícia Federal (PF) na manhã desta sexta-feira (28.ago.2020), após investigação de desvios na área da saúde no Rio de Janeiro. O Supremo Tribunal de Justiça (STJ), também determinou o afastamento do governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, por 180 dias.

A Operação Tris in Idem, é um desdobramento da Operação Placebo, que investiga atos de corrupção em contratos públicos do governo do Rio de Janeiro.

Em nota, a defesa do Pastor Everaldo afirmou que ele sempre esteve à disposição de todas as autoridades e reitera a sua confiança na Justiça.

Também por meio de nota, o PSC informou que o ex-senador e ex-deputado Marcondes Gadelha, vice-presidente nacional da legenda, assume provisoriamente o cargo de presidente. O calendário eleitoral do partido segue sem alteração.

A defesa de Witzel disse que “recebe com grande surpresa a decisão de afastamento do cargo, tomada de forma monocrática e com tamanha gravidade”.

“Os advogados aguardam o acesso ao conteúdo da decisão para tomar as medidas cabíveis”, diz a nota.

A acusação leva em conta pagamentos efetuados por empresas ligadas ao empresário Mário Peixoto ao escritório de advocacia de Helena Witzel, mulher do governador.

Também são objeto da denúncia pagamentos feitos por empresa da família de Gothardo Lopes Netto, médico e ex-prefeito de Volta Redonda, ao escritório da primeira-dama.

De acordo com os investigadores do MPF (Ministério Público Federal), a partir da eleição de Wilson Witzel, estruturou-se no âmbito do governo estadual uma organização criminosa, dividida em 3 grupos, que disputavam o poder mediante o pagamento de vantagens indevidas a agentes públicos.

Liderados por empresários, esses grupos teriam loteado algumas das principais pastas estaduais para implementar esquemas que beneficiassem suas empresas.

Denunciados:

  • o governador Wilson Witzel;
  • a primeira-dama Helena Witzel;
  • Lucas Tristão. advogado e ex-secretário estadual de Desenvolvimento Econômico;
  • Mário Peixoto, empresário;
  • Alessandro Duarte, empresário;
  • Cassiano Luiz, empresário;
  • Juan Elias Neves de Paula, empresário;
  • João Marcos Borges Mattos, empresário;
  • Gothardo Lopes Netto, empresário.

Candidato em 2014

O Pastor Everaldo já foi candidato à Presidência da República em 2014

Capinópolis, Minas Gerais | Foto: Tudo Em Dia imagens aéreas

Capinópolis registra 246 casos de Covid-19, 175 curados e 4 óbitos

PMMA encontra tatupebas abatidos e autua homem em Carneirinho