(Foto: Prefeitura de Uberlândia/Divulgação)
(Foto: Prefeitura de Uberlândia/Divulgação)

Minas Gerais tem 1.277.914 Microempreendedores Individuais (MEI) registrados, de acordo com dados com Portal do Empreendedor, divulgados em janeiro de 2021. Em 2020, o estado teve 204.748 formalizações, ficando atrás apenas de São Paulo (517.993) e Rio de janeiro (218.461). Somente em dezembro, foram mais de 5 mil novas empresas formalizadas.  

As ocupações com maior percentual de formalização em Minas Gerais em 2020 foram: comércio varejista de artigos de vestuário e acessórios (12.210), cabeleireiros, manicure e pedicure (12.195), promoção de vendas (11.713), obras de alvenaria (11.685), e fornecimento de alimentos preparados preponderantemente para consumo familiar (8.486). “Em função da pandemia, muitas pessoas perderam seus empregos formais e viram no empreendedorismo uma oportunidade de gerar renda”, explica a analista do Sebrae Minas, Laurana Viana.  

As regionais Centro e Zona da Mata e Vertentes se mantiveram com o maior saldo de formalizações, 80.628 e 23.104, respectivamente. No ranking das 10 cidades com o maior número de formalizações em 2020, estão: Belo Horizonte (34.993), Uberlândia (10.310), Contagem (9.250), Juiz de Fora (6.549), Betim (5.702), Montes Claros (4.632), Divinópolis (3.495), Ribeirão das Neves (4.512), Governador Valadares (3.571) e Ipatinga (2.709).  

De janeiro a dezembro, as ocupações de comércio e serviço, juntas, foram responsáveis por quase 70% das formalizações no estado, ou seja, 142 mil MEI.   “Em 2020, o MEI se tornou uma alternativa para quem perdeu o emprego ou precisou adequar o porte do negócio, especialmente no setor de comércio e serviços que foram muito afetados pela pandemia com os fechamentos e necessidade de mudar para um modelo de vendas on-line, por exemplo”, destaca Laurana. 

CCAA Capinópolis

Microempreendedor Individual (MEI) MEI são empreendedores e empreendedoras que faturam até R$ 81 mil por ano, não têm participação em outra empresa como sócio ou titular, têm até um(a) empregado(a) que recebe piso da categoria ou salário mínimo e desempenham algumas das 400 ocupações permitidas. 

Entre os benefícios da formalização, o principal é ter direito à aposentadoria por idade ou por invalidez, auxílio doença, salário maternidade, além de pensão por morte e auxilio-reclusão para seus familiares.

Vale a pena abrir uma empresa enquadrada no MEI? Saiba algumas vantagens e desvantagens

6 Vantagens de ser um MEI: 

  1. Possibilidade de comprar e vender legalmente em todo o território nacional, já que conta com o CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica);
  2. Poderá abrir conta bancária, conseguir empréstimos;
  3. Aposentadoria para o sócio, salário maternidade, auxilio doença;
  4. Poderá vender para o governo (Municipal, Estadual, Federal);
  5. Custo baixo para manutenção mensal;
  6. Não precisa de contador nem para abrir ou manter a empresa;

4 Desvantagens de ser um MEI: 

  1. Seu patrimônio pessoal responde por quaisquer dívidas da empresa. Exemplo: Digamos que você tenha adquirido um capital de giro no banco e não consegue quitar essa dívida – o banco pode impetrar ação de cobrança judicial e seus bens serão bloqueados (contas bancárias, veículos, imóveis, e etc);
  2. Compras limitadas. Essa questão não fica muito clara no portal do empreendedor, mas se o limite de venda é R$81 mil anuais (incluindo a compra da mercadoria, despesas inclusas e seu lucro), você não poderá comprar mais que o limite de vendas ─oriento que as compras sejam limitadas a um valor de 70% do limite de vendas.
  3. MEI não pode receber seguro desemprego.
  4. MEI só pode aposentar por idade, mesmo que tenha contribuído como empregado anteriormente. O limite da aposentadoria se limita a 1 salário, mesmo que as contribuições tenham sido sobre 2, 3 ou mais salários. (FIQUE ATENTO!).

Para maiores informações ligue no Escritório de Contabilidade Nossa Senhora D´Abadia | (34) 3263-1250

Ouça o podcast do Tudo Em Dia: