Defesa divulga nota sobre custos de alimentação de militares

Segundo ministério, valores são compatíveis com as tarefas das tropas

O Ministério da Defesa divulgou hoje (27) uma nota à imprensa para esclarecer os gastos das Forças Armadas com alimentação. Nesta semana, matérias jornalísticas questionaram a legalidade das compras de comida para os militares. Segundo o ministério, os valores são compatíveis com as tarefas das tropas. blankblank

O portal Metrópoles revelou, no último domingo (24.jan.2021), uma série de gastos da União relacionados à alimentação, que totalizaram R$ 1,8 bilhão em 2020.

No levantamento de gastos, só em goma de mascar, foram R$ 2.203.681, 89 aos cofres públicos. Sem contar a compra de molho shoyo, molho inglês e molho de pimenta que, juntos, somam mais de R$ 14 milhões do montante pago. Pizza e refrigerante também fizeram parte do cardápio do ano. Débito de R$ 32,7 milhões dos cofres da União.

O título da chamada no portal — ‘Mais de R$ 1,8 bilhão em compras: “carrinho” do governo federal tem de sagu a chicletes’ — levantou a ira do presidente Bolsonaro.

“Enfia no rabo de vocês da imprensa essas latas de leite condensado”, disse Bolsonaro. O Tudo Em Dia reproduz o trecho da fala na íntegra, já que foi dita por um chefe de estado.

Na nota oficial emitida em resposta, o governo recomendou — “A imprensa deve consultar as fontes primárias produtoras destes insumos informacionais para uma melhor compreensão das informações, produzindo assim conteúdo informativo à população e não algo eivado de más intenções”.

De acordo com a pasta, os militares não recebem nenhum valor referente ao pagamento de auxilio alimentação, sendo obrigatória por lei a disponibilização de alimentação aos que estão em atividade. 

Segundo o ministério, desde 2017, o gasto diário com a compra de alimentos é de R$ 9 por militar, valor que não é reajustado há três anos e que é usado para custear o café da manhã, almoço e o jantar dos militares que compõem as Forças Armadas.

Sobre a compra de itens como leite condensado, o ministério explicou que o produto pode ser usado para substituir o leite comum, devido ao seu alto potencial energético e melhor conservação em altas temperaturas. 

No caso da compra de gomas de mascar, o ministério afirmou que o produto é usado na higiene bucal quando ocorre a impossibilidade de escovação e para aliviar os efeitos da pressão durante a atividade aérea. 

Em todo o país, o efetivo é de 370 mil militares, que estão alocados em 1,6 mil organizações militares.