Polícia Civil de Uberlândia incinera maconha apreendida e operação

Grande quantidade de droga foi incinerada | PCMG/divulgação
Grande quantidade de droga foi incinerada | PCMG/divulgação

A Polícia Civil de Minas Gerais, por meio da 1ª Delegacia Regional de Polícia Civil de Uberlândia, realizou hoje (terça-feira, 27), de manhã, a incineração de quase sete toneladas de maconha, apreendidas durante uma operação da PM, no domingo, dia 25, no bairro Morada dos Pássaros. A queima ocorreu em razão de requisição feita pela 1ª DRPC ao Poder Judiciário da comarca, devido à sua quantidade. Também foram incineradas porções de cocaína e ácido bórico.

A incineração foi feita em um local não revelado pela Polícia Civil, por medida de segurança. Um esquema especial, com a participação de policiais civis e de policiais militares, foi montado para fazer o transporte do lugar onde ela estava guardada até o forno. Conforme o delegado regional de Polícia Civil, Luciano Alves dos Santos, vinte homens das duas corporações participaram da iniciativa.

Um promotor de Justiça, representando o Ministério Público, um representante da Vigilância Sanitária e o chefe da Seção Técnica de Criminalística, Alexandre Junqueira Souza, além do próprio delegado regional, presenciaram a destruição da droga. Esta é a terceira incineração de entorpecente realizada neste mês.

Morada dos Pássaros

A droga incinerada foi apreendida na noite de domingo, numa operação feita pela Polícia Militar para combater o tráfico de drogas. Os policiais se dirigiram a uma casa no bairro Morada dos Pássaros e apreenderam a droga, além de dois quilos de cocaína, uma submetralhadora artesanal e um carro clonado. Um suspeito, de 49 anos, foi preso durante a ação. Ele foi encaminhado para a Delegacia de Plantão e prestou depoimento, sendo depois levado para o Presídio.

Segundo a Polícia Civil, o suspeito informou durante a lavratura do auto de prisão em flagrante que estava apenas “tomando conta” do lugar, tratando dos cães da residência e atendendo ao telefone. Ele contou ser oriundo do Estado de São Paulo e que já havia sido preso anteriormente, mas não deu mais informações.