Metroviários voltam atrás e anunciam paralisação do metrô de BH na quarta

Paralisação havia sido agendada para a última quinta-feira (20), mas foi suspensa até uma nova assembleia do sindicato nessa sexta (21)
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Os metroviários de Belo Horizonte decidiram fazer uma paralisação total dos serviços de metrô por 24 horas na próxima quarta-feira (26) para pedir prioridade para a categoria na campanha de vacinação contra Covid-19. A decisão foi tomada em assembleia do Sindicato dos Empregados em transportes Metroviários e Conexos de Minas Gerais (Sindmetro), nessa sexta-feira (21), após a suspensão da paralisação marcada para a última quinta (20)

A paralisação havia sido cancelada depois de uma reunião de sindicalistas com o prefeito Alexandre Kalil (PSD), em que a prefeitura afirmou que, em 30 dias, apresentará um calendário de vacinação para o setor. A categoria é considerada prioritária pelo Plano Nacional de Imunizações (PNI), mas aparece atrás de outros grupos que não começaram a ser vacinados na cidade, como profissionais da educação e pessoas em situação de rua. 

“O prefeito pediu 30 dias para ter a possibilidade de um calendário de vacinação mais preciso, e não para iniciá-la. A categoria não parou de trabalhar durante a pandemia e é ela quem transporta os outros grupos prioritários. Deveríamos, no mínimo, ser vacinados ao mesmo tempo dos profissionais da saúde. Tem estudante do primeiro período de medicina sendo vacinado antes”, diz o presidente do sindicato, Romeu Machado Neto.

A prefeitura solicitou que o sindicato apresente o mapeamento de trabalhadores que ainda não foram vacinados em outros grupos prioritários para que possa planejar a campanha. Os dados serão entregues na segunda-feira (24), segundo Machado. Também na segunda, o Sindmetro se encontrará com a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) no Tribunal Regional do Trabalho (TRT). Na reunião, os termos da paralisação serão debatidos – pode ser que os metroviários sejam impedidos de realizar uma parada total de atividades, por exemplo. 

Segundo Machado, cerca de 14% dos aproximadamente 1.000 trabalhadores ativos do metrô de BH se contaminaram com o coronavírus e quatro morreram. Outros 600 funcionários estão afetados do trabalho de campo por serem de grupos considerados de risco. 

Por meio de nota, a prefeitura informa que segue as orientações do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação, do Ministério da Saúde, e que não teria autonomia para modificar a ordem de imunização de cada grupo prioritário. “É imprescindível que novas remessas de vacinas sejam entregues pelo Ministério da Saúde. A Prefeitura reafirma a disponibilidade de pessoal e de todos os insumos necessários para a imediata continuidade do processo”, completa. 

Veja também:

Apoio:

Alexandre Santos Gomes advogado em Capinópolis

1
2
3
4
5
1
2
3
4
5
1
2
3
4
5

Bloqueador de Publicidade

Detectamos um bloqueador de publicidade no seu navegador. Por gentileza, apoie o jornalismo independente brasileiro

Refresh

error: A cópia do conteúdo do Tudo Em Dia é proibida