blank

Um estudo realizado em 2021, pela Universidade de Helsinque, na Finlândia, estudou o comportamento de 9 mil cães, de 23 raças diferentes. O estudo apontou que cães de raças menores são mais agressivos que cães maiores.

Os animais menores usam dessa agressividade como mecanismo de defesa. Eles podem se sentir mais vulneráveis e precisam mostrar aos animais maiores, assim como para as pessoas, que eles podem se defender. Por isso, é importante uma boa socialização dos pets com outros animais e a superproteção do tutor pode prejudicar o grau de comportamento do pet.

A forma como são tratados, o ambiente em que vivem e até o tamanho do crânio podem influenciar na agressividade do animal. Um comportamento agressivo em um pinscher, por exemplo, é visto de maneira fofa, o que não acontece quando o mesmo comportamento é visto em um cão da raça pitbull.

O estudo também indica que cães que convivem mais com outros animais tendem a ser mais calmos do que aqueles que vivem mais tempo apenas com humanos.

Entre os cães que lideram a lista de agressivos estão os Poodles e os Schnauzers , enquanto na outra ponta da lista ficaram cães das raças labrador e Golden retriever, como os mais calmos.

A agressividade tratada com homeopatia

Um laboratório mineiro desenvolveu e a empresa de comércio eletrônico A Ilha, comercializa o Stress-Vet. O homeopático é indicado para os desvios de comportamento: inquietude, ansiedade, nervosismo em situações de ambiente de pouco espaço, durante transporte, eventos e visita ao banho e tosa para cães e gatos.

blank
Ouça o podcast do Tudo Em Dia: