O comerciante Agnaldo Batista do Amaral, acusado de matar a cabeleireira Bruna Rafaela dos Santos, em Belo Horizonte, foi absolvido do crime de homicídio e condenado por lesão corporal a  a 11 meses e 15 dias. No entanto, ele já cumpriu essa pena enquanto esteve preso aguardando o julgamento e portanto não tem mais pena para cumprir. O julgamento terminou na noite desta terça-feira (5). 

Na decisão judicial, o júri entendeu que o réu agiu em legítima defesa quando esfaqueou Bruna e um amigo dela, Lucas Moraes dos Santos e o absolveu do homicídio contra a cabeleireira e a tentativa de homicídio contra o homem. Para a absolvição também pesou o réu não ter antecedentes criminais e não ter registro de má conduta. 

Magazine Brasil Líbano Dia dos Pais

Uma terceira mulher, Kelly Cristina Rodrigues da Silva, também foi esfaqueada na época do crime. Por causa disso, o comerciante foi acusado de lesão corporal. O crime ocorreu em fevereiro do ano passado.

O comerciante e Bruna se desentenderam porque o salão da mulher passou a ocupar uma das lojas do réu que não se conformava com o fato. Em 27 de fevereiro do ano passado, após uma discussão em um bar, no centro de Belo Horizonta, o acusado esfaqueou Bruna e os dois amigos dela. Eles foram socorridos, mas a cabeleireira não resistiu aos ferimentos e morreu. 
 

CCAA Capinópolis
Alexandre Santos Gomes advogado em Capinópolis
Ouça o podcast do Tudo Em Dia:

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui