Estratégias furadas na Superliga

O vôlei com conhecimento e independência jornalística

Se tem um time que pode ou poderia poupar o time titular na Superliga, é o Praia Clube.

Magazine Brasil Líbano Dia dos Pais

Paulo Coco agiu com prudência ao usar boa parte das reservas contra Maringá. 

Planejamento. 

CCAA Capinópolis

Risco zero.

O Minas errou ao repetir a estratégia contra o fraco Curitiba.

Ainda que o adversário não oferecesse resistência, não era a hora de poupar ninguém, exceto por lesão, que até pode ter sido o caso de Carol Gattaz. O técnico Nicola Negro fez certo ao manter Danielle os 3 sets.

E só.

Sair de quadra como maior pontuadora contra Curitiba não é vantagem nenhuma. Só que a fase dela é tão ruim que serviu como estímulo.

No mais Nicola agiu mal. Não tinha necessidade de rodar tanto o time. O Minas precisa de ritmo de jogo, entrosamento e confiança. Para isso, Curitiba era importante.

Bauru idem.

A questão é que lá nem o próprio técnico sabe quem são as titulares no meio de rede. O ponto perdido para o valente Valinhos em casa pode custar caro lá na frente, mas como é indiferente ganhar ou perder, sem quarto ou quinto, tanto faz, como tanto fez.

Bauru não tem essa bola toda.

Não dá para inventar.

Osasco fugiu da linha.

Luizomar usou contra o Pinheiros o que tinha de melhor. Nesse caso conhecimento e comprometimento.

O treinador sabe que não tem banco.

3 a 0 sem sustos.

 

Alexandre Santos Gomes advogado em Capinópolis

Fonte: O Tempo