Escola de Patrimônio Imaterial do Rio prevê expansão a partir de 2023

A Escola de Patrimônio Imaterial do Rio de Janeiro está funcionando a pleno vapor. “A gente está muito feliz em poder implementar mais uma ação no estado do Rio de Janeiro que fala de memória e patrimônio, especialmente imaterial”, disse hoje (4) a s...
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

A Escola de Patrimônio Imaterial do Rio de Janeiro está funcionando a pleno vapor. “A gente está muito feliz em poder implementar mais uma ação no estado do Rio de Janeiro que fala de memória e patrimônio, especialmente imaterial”, disse hoje (4) a secretária da Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa (Secec) do Rio de Janeiro Danielle Barros, em entrevista à Agência Brasil.

A expectativa é que o projeto dure pelo menos dois anos, com oficinas gratuitas, para pessoas de qualquer idade, “desde crianças até pessoas mais experientes”, trabalhando temáticas ligadas ao patrimônio imaterial fluminense, como as rodas de ciranda, jongo, capoeira, samba, festas populares tradicionais, apresentações artísticas e aulas ligadas à questão da preservação do patrimônio, “fazendo uma dobrada com empreendedorismo”, disse Danielle.

Neste momento, a Escola de Patrimônio Imaterial do Rio de Janeiro está presente em cinco municípios onde atuam grupos culturais centenários. São eles: Ciranda Caiçara de Tarituba (Paraty), Sítio Santa Luzia Quilombo Machadinha (Quissamã), Centro de Tradições Afro Onixêgum (Guapimirim), Companhia de Aruanda (Madureira, zona norte da capital fluminense) e Grupo Zé Mussum (Magé). O projeto é da Secec, através da Lei Estadual de Incentivo à Cultura, com apoio da Petrobras.

Agenda

A agenda da escola nos cinco ambientes existentes pode ser acessada no na página do Instagram . “As pessoas podem também identificar os endereços desses polos para se dirigirem aos próprios locais e buscarem seu credenciamento na Escola de Patrimônio Imaterial do estado”, indicou a secretária. Danielle Barros afirmou que a ideia da Secec é ampliar o número de patrimônios imateriais envolvidos no projeto.

Explicou que esse é um projeto-piloto. “É um grande laboratório para todos nós porque, mais do que implementar a Escola, a gente também implementou um trabalho de escuta a esses que são os grandes mestres dos saberes populares do estado do Rio de Janeiro”. Segundo a secretária, a ideia é chegar a outros municípios, “potencializando os que já foram escolhidos nesse primeiro momento, mas também ampliando o trabalho ao longo de 2023, 2024, 2025. A ideia é essa”.

Os professores da Escola são os próprios mestres dos saberes populares. Em Paraty, por exemplo, a secretaria tem vinculados à Escola os mestres cirandeiros. Um encontro de todos os mestres dos cinco polos está programado para ocorrer no próximo fim de semana, em Guapimirim, com o objetivo de celebrar a criação da Escola de Patrimônio Imaterial. “São momentos de celebração, de partilha, de intercâmbio, de valorização das tradições centenárias”.

Danielle Barros disse que é uma premissa da Escola promover essa interlocução entre as cidades. “E todo o estado do Rio vem para essa partilha, para essa troca”. O projeto proporciona aos grupos culturais centenários uma rica estrutura, para garantir que os saberes sejam repassados de forma efetiva durante as oficinas. Dessa forma, fica preservado o ciclo de ensinamento e aprendizagem dos patrimônios imateriais herdados dos ancestrais, garantindo a sua salvaguarda.

Os locais

A Ciranda Caiçara de Tarituba funciona no pequeno distrito de Tarituba, em Paraty, na Costa Verde do estado do Rio de Janeiro. Sua população é formada, em sua maioria, por descendentes de portugueses e indígenas que preservam saberes e fazeres centenários herdados de seus ancestrais. O dia a dia da cultura caiçara ressalta a excelência na marcenaria, que atende inclusive a ciranda e a pesca na produção de percussão e no esculpir de toras de madeira para fazer canoas, sem emendas. Há também a gastronomia, que mistura os resultados da pesca com os das roças e há a ciranda, um dos carros-chefes da cultura popular local.

A linhagem cultural ancestral do Grupo Zé Mussum, localizado em Magé, Baixada Fluminense, construiu sua história em um percurso que passa por alguns municípios do Rio de Janeiro, todos eles com patrimônios imateriais tradicionais reconhecidos como tesouros culturais. Suas raízes foram formadas através dos saberes e fazeres tradicionais passados oralmente de geração para geração, com grande influência das rodas de capoeira e de jongo.

Nas terras da antiga Fazenda Machadinha, localizada na cidade de Quissamã, no norte do estado, brilha o Sítio Santa Luzia Quilombo Machadinha, liderado pela mestra jongueira Dona Preta, 90 anos, e por seus netos, que integram a sétima geração de descendentes de negros escravizados na região. No trabalho para manter viva a cultura tradicional ancestral, destacam-se especialmente o jongo e a gastronomia das senzalas, que inclui a feijoada, o doce de batata doce e a sopa de leite, também conhecida como o “verdadeiro escondidinho”.

O Centro de Tradições Afro Onixêgum está sediado em um terreno de 11 mil metros quadrados, em Guapimirim, também na Baixada Fluminense, onde a soma de ancestralidades culturais encontra sua síntese na figura do Babalorixá Dario de Ossain, líder do Centro. No terreiro de Guapimirim, a arte e a educação são prioridades, aliadas à valorização do meio ambiente. O Centro promove a transmissão desse acúmulo de saberes culturais e acolhe toda a comunidade local.

Já a Companhia de Aruanda está localizada em Madureira, na zona norte da capital do estado. Ali, o morro que viu nascer uma farta quantidade de artistas que cultuam e preservam os saberes dos mais velhos, ressalta suas tradições, histórias, ao mesmo tempo em que cria novos laços a partir de suas bagagens ancestrais. Mensalmente, há 12 anos, a Companhia de Aruanda toca, canta e dança o jongo e o samba debaixo do Viaduto de Madureira. “A herança cultural está presente em cada um dos artistas da Serrinha”, destacou a Secretaria de Estado de Cultura e Educação Criativa do Rio de Janeiro.

Veja também:

Apoio:

Alexandre Santos Gomes advogado em Capinópolis

1
2
3
4
5
1
2
3
4
5
1
2
3
4
5

Bloqueador de Publicidade

Detectamos um bloqueador de publicidade no seu navegador. Por gentileza, apoie o jornalismo independente brasileiro

Refresh

error: A cópia do conteúdo do Tudo Em Dia é proibida