Caso Daniel: acusada da morte do atleta mineiro, Cris Brittes vai a júri popular

Atleta que atuou nas categorias de base da Raposa e era natural de Conselheiro Lafaiete, teve o pescoço e o pênis decepados
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

O Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) decidiu que Cristiana Brittes, uma das envolvidas na morte do jogador mineiro Daniel Correa Freitas, vai a júri popular por homicídio qualificado. Em 2018, o atleta que atuou nas categorias de base do Cruzeiro, teve o pescoço e o pênis decepados.
 
Marido de Cristiana, Edison Brittes confessou o assassinato, que ocorreu em São José dos Pinhais, na Região de Curitiba. Além dele e da esposa, outras cinco pessoas foram denunciadas pelo brutal crime.
 
Considerada a pivô da tragédia, Cristiana já iria a júri popular por fraude processual, corrupção de menor e coação no curso no processo. Mas, nesta semana, por unanimidade, os desembargadores da 1ª Câmara Criminal decidiram que ela também deve ser julgada por homicídio qualificado.
 
A mulher sempre negou que tenha influenciado na decisão de matar o jogador, mas, agora, terá que convencer os jurados. Conforme o processo, Cristiana teria dito: “Não deixem matar ele aqui dentro de casa”. O TJPR ainda não marcou a data do julgamento.
 
Único réu preso, Edison Brittes teve o pedido de para responder o processo em liberdade negado. Ao admitir o assassinato, ele disse que matou Daniel porque o jogador tentou estuprar a esposa dele.

Relembre o caso

O assassinato de Daniel Freitas aconteceu após a festa de aniversário de 18 anos de Allana Brittes, que começou em uma casa noturna de Curitiba, na noite de 26 de outubro, uma sexta-feira, e continuou na casa da família Brittes, em São José dos Pinhais.

De acordo com as investigações, foi na casa que Daniel começou a ser agredido, antes de ser levado a um matagal.

O jogador, conforme concluiu o inquérito da Polícia Civil, foi agredido e morto após ter sido flagrado por Edison Brittes deitado na cama de Cristiana.

Antes do crime, Daniel enviou mensagens e fotos a um amigo, em que aparecia deitado ao lado de Cristiana enquanto ela dormia.

No inquérito, a Polícia Civil concluiu que não houve tentativa de estupro por parte do jogador contra Cristiana. Os laudos do Instituto-Médico Legal (IML) e da Polícia Científica, apontaram que Daniel foi morto pelas facadas que recebeu no pescoço.

Veja também:

Apoio:

Alexandre Santos Gomes advogado em Capinópolis

Bloqueador de Publicidade

Detectamos um bloqueador de publicidade no seu navegador. Por gentileza, apoie o jornalismo independente brasileiro

Refresh

error: A cópia do conteúdo do Tudo Em Dia é proibida