Feira Hippie tem baixa movimentação na retomada de atividades no Dia das Mães

Feirantes reclamam da baixa movimentação e acreditam que volta às vésperas da data festiva e crise financeira foram os principais fatores
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Após cinco semanas fechada devido às restrições sanitárias impostas ao comércio da capital para frear a disseminação da Covid-19, a tradicional Feira Hippie, localizada na avenida Afonso Pena, na região Centro-Sul de Belo Horizonte, retomou suas atividades com pouca movimentação neste domingo (9) de Dia das Mães.

No entanto, a reabertura da feira foi a salvação para aqueles que deixaram para realizar de última hora a compra do presente das mães. “Dei graças a Deus que a feira reabriu hoje. Não tive tempo durante a semana para comprar o presente da minha mãe. Então, uni o útil ao agradável: vim à feira, que estava com saudade, e trouxe minha mãe, que escolheu de presente um artesanato que ela ama”, contou a bióloga Jennifer Ferreira, 35. 

 

Já a atendente de farmácia Christiane Rodrigues, 44, esperou para comprar na feira o presente da mãe por ser tradição. “Sempre compro o presente da minha mãe aqui na feira. Ainda bem que reabriu hoje e deu tempo de comprar o presente. Sem contar que aqui o preço é mais em conta”, comentou. 

O baixo fluxo de pessoas na feira deste domingo (9) não surpreendeu os feirantes. Para a autônoma Valéria Oliveira, 56, que vende roupas na feira há 25 anos, o espaço podia ter voltado a funcionar dez dias antes do Dia das Mães. ” A maioria das pessoas já compraram o presente das mães. Foi definido na última quarta a reabertura, aí muita gente já tinha comprado o presente”, disse, decepcionada.

A feirante Raquel Aparecida, 73, acredita que o baixo fluxo de pessoas na feira se deu por causa da crise financeira instalada por causa da Covid-19. ” Há três anos aqui, uma hora dessa estava lotado e todos estavam comprando. Porém, agora as pessoas não estão comprando como antes, o que nos prejudica muito. Acredito que as coisas por aqui voltem a melhorar quando a pandemia passar”, comentou. 

Novo Layout

Para garantir as medidas sanitárias de distanciamento social, as barracas dos expositores foram dispostas com dois metros de distância uma das outras. Nas barracas é obrigatório o uso de àlcool. Também é obrigatório o uso de máscara pelos feirantes e o público em geral.

Veja também:

Apoio:

Alexandre Santos Gomes advogado em Capinópolis

1
2
3
4
5
1
2
3
4
5
1
2
3
4
5

Bloqueador de Publicidade

Detectamos um bloqueador de publicidade no seu navegador. Por gentileza, apoie o jornalismo independente brasileiro

Refresh

error: A cópia do conteúdo do Tudo Em Dia é proibida