Investigação mostra que João Lyra criou empresa e conta na Suíça após pedir recuperação judicial

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
João Lyra
João Lyra

Os arquivos da empresa Mossack Fonseca, com sede no Panamá, mostram que o escritório panamenho criou ou vendeu empresas offshore (empresas em paraíso fiscal) para políticos brasileiros e seus familiares. João Lyra, ex-deputado e ex-usineiro, aparece na lista.

Chamam-se popularmente de offshores as contas bancárias e empresas abertas em paraísos fiscais, geralmente com o intuito de pagar-se menos impostos do que no país de origem dos seus proprietários.

 Segundo reportagem publicada pela portal Uol, braço da Folha de S. Paulo, entre outros, aparecem vinculados a empresas offshores o deputado federal Newton Cardoso Jr. (PMDB-MG) e o pai dele, o ex-governador de Minas Gerais Newton Cardoso; o ex-ministro da Fazenda Delfim Netto; o deputado Vadão Gomes (PP-SP), o ex-senador e presidente do PSDB Sérgio Guerra, morto em 2014.

A lista também cita o ex-deputado e falido usineiro João Lyra (PSD-AL), que tem usinas sucroalcooleiras em estado de falência em Capinópolis (MG), Canápolis (MG) e também no Estado de Alagoas – Outras empresas do Grupo João Lyra, geridas pela Laginha Agroindustrial, também estão no processo de falência.

Papéis da Mossack Fonseca indicam que o ex-deputado João Lyra (PSD-AL) utilizou uma empresa offshore para abrir e manter uma conta no banco suíço Pictet Asset Management, a partir de 2009.

Em 2010, Lyra foi eleito deputado federal pelo PTB de Alagoas (depois, em 2011, filiou-se ao PSD). A offshore e a conta bancária não aparecem na declaração de bens que Lyra entregou à Justiça Eleitoral.

O ano de abertura da offshore coincide com o agravamento da situação das empresas de Lyra. No fim de 2008, o Grupo João Lyra apresentou um pedido de recuperação judicial ao Tribunal de Justiça de Alagoas.

Em janeiro de 2009, a Mossack Fonseca abriu para ele uma companhia offshore chamada Refill Trading Corp. Pouco depois, em fevereiro, a Mossack Fonseca recebeu documentos para abrir uma conta em nome da Refill no Pictet Asset Management, um banco suíço. O nome de Lyra aparece anotado à mão, ao lado de uma assinatura, nos documentos de abertura da conta.

04042016-joao-lyra-edit

A lei brasileira permite a qualquer cidadão ter uma empresa num paraíso fiscal. É necessário, entretanto, que a operação esteja registrada no Imposto de Renda do proprietário. Quando há envio de recursos para o exterior é também obrigatório informar ao Banco Central sobre a operação, em casos que superem determinado valor.

Segundo a reportagem, há também alguns parentes de políticos que têm ou tiveram offshores registradas. É o caso de Gabriel Nascimento Lacerda, filho do prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda (PSB), e de Luciano Lobão, filho do senador Edison Lobão (PMDB-MA). 

Veja também:

Apoio:

Alexandre Santos Gomes advogado em Capinópolis

1
2
3
4
5
1
2
3
4
5
1
2
3
4
5

Bloqueador de Publicidade

Detectamos um bloqueador de publicidade no seu navegador. Por gentileza, apoie o jornalismo independente brasileiro

Refresh

error: A cópia do conteúdo do Tudo Em Dia é proibida