Registro fotográfico profissional auxilia comprovação de projetos

Douglas Luzz dá dicas de como garantir as melhores imagens em situações diferenciadas.
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Douglas Luzz e adolescentes de projetos sócio-culturais
Douglas Luzz e adolescentes de projetos sócio-culturais

Apesar da popularização da fotografia digital, com olhar diferenciado, fotógrafos profissionais continuam sendo essenciais nos já tradicionais nichos de mercado, e em outros, como o de projetos com incentivo fiscal, que cresce à medida que as leis tornam-se conhecidas e vão sendo aprimoradas.

As Leis de Incentivo foram criadas pelo governo para estimular a produção e difusão cultural, esportiva e social no País. Através da politica de renúncia fiscal, pessoas físicas e empresas têm a opção de direcionar parte do imposto para projetos culturais, esportivos e sociais à sua escolha. Os projetos são primeiramente avaliados pelas comissões responsáveis do governo, levando em conta sua importância e impacto na sociedade, viabilidade de custos e capacidade do gestor do projeto, a qual pode muito bem ser comprovada através do registro fotográfico das ações realizadas.
Para Maíra de Ávila, coordenadora de comunicação do grupo EMCANTAR, que há 18 anos trabalha com Arte e Educação, desenvolvendo projetos incentivados por lei, a fotografia é um meio essencial para testemunhar as ações de cada projeto e divulgá-los: “As fotos são uma devolutiva para a sociedade de que o projeto está sendo feito e vale à pena investir no social. É também uma forma de acompanhamento das atividades, podemos ver a evolução de cada participante”, afirma.
Segundo a coordenadora, quem lida com área de arte e cultura necessita de imagens com qualidade: “Nem sempre conseguimos atingir o público apenas com palavras. Uma boa imagem consegue revelar a emoção, que só um bom fotógrafo consegue captar”, comenta.
Há quatro anos fotografando tanto os projetos sociais quanto os espetáculos do Grupo EMCANTAR, o fotógrafo Douglas Luzz acredita que a excelência deste tipo de trabalho está além da técnica. “Mais do que saber operar um equipamento, o profissional precisa ter sensibilidade. Para mim, fotografar é imprimir sentimentos”, reflete.
Sobre seu trabalho em projetos sociais, o fotógrafo conta que é preciso ter postura adequada quando se trata de registrar atividades em que não pode interferir. “Quando chego para fotografar crianças, por exemplo, a câmera chama atenção delas: algumas ficam envergonhadas, outras se aproximam, querem conhecer o equipamento, aparecer nas fotos. E cada situação exige uma postura: às vezes preciso ser quase invisível, em outros momentos é importante interagir com as pessoas para que se descontraiam e eu possa captar imagens diferenciadas”, revela Douglas Luzz.

Veja também:

Apoio:

Alexandre Santos Gomes advogado em Capinópolis

1
2
3
4
5
1
2
3
4
5
1
2
3
4
5

Bloqueador de Publicidade

Detectamos um bloqueador de publicidade no seu navegador. Por gentileza, apoie o jornalismo independente brasileiro

Refresh

error: A cópia do conteúdo do Tudo Em Dia é proibida