Aluna tem parte de orelha arrancada em briga dentro de escola

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Fernanda Resende

Menina teve parte da orelha arrancada aos dentes por colega (Foto: Igor Nunes/Arquivo pessoal)
Menina teve parte da orelha arrancada aos dentes por colega (Foto: Igor Nunes/Arquivo pessoal)

Uma estudante de 14 anos foi mordida e teve parte da orelha arrancada por uma colega na manhã desta quarta-feira (27), após se envolver em uma briga dentro da Escola Estadual Deiró Eunápio Borges, em Patos de Minas. Segundo a Polícia Militar (PM), a adolescente estava no intervalo quando entrou numa discussão e acabou ficando ferida. A menina foi encaminhada ao Hospital Regional e o caso foi parar na Delegacia. O G1 (Portal de Notícias da Globo) entrou em contato com a escola, mas nenhum responsável por repassar informações sobre o ocorrido foi encontrado no local. Já a assessoria de comunicação da Secretaria de Estado da Educação confirmou o ocorrido e disse que os professores socorreram a aluna. Os pais dos envolvidos foram chamados e a escola aguarda orientações dos órgãos de segurança e proteção ao menor para saber como proceder, visto que houve lesão corporal. Segundo a PM, seis alunas da escola participaram da briga. Para a polícia, a suspeita de ter mordido a orelha da colega disse que estava com a irmã e, enquanto andavam pelo pátio, a vítima, acompanhada de mais três alunas, começaram a xingá-las. Dentre as ofensas foram relatados termos como “piranha” e “cachorra”. Os militares disseram que após os insultos, o grupo se desentendeu e começou o bate-boca. Consta no boletim de ocorrência que houve chutes, puxões de cabelo, murros e a mordida que arrancou parte da orelha da garota. A versão foi contestada pelo grupo de alunas que estavam com a menina mordida. Elas disseram que a suspeita e a irmã que proferiram os xingamentos e até ameaçaram falando que “iam morrer com uma bala”. E, foi por esse motivo, que segundo as alunas, que elas entraram em luta corporal. A vítima foi encaminhada ao Hospital Regional Antônio Dias para que fosse feita uma sutura e reconstituição da orelha. Contudo, o procedimento não teve como ser realizado e apenas um curativo foi feito. Segundo a assessoria de comunicação do hospital, a adolescente foi atendida e liberada. A assessoria ainda informou que não tem acesso aos prontuários e que por esse motivo não teria como dizer o motivo que a reconstituição da orelha não foi feita. Os envolvidos foram encaminhados à Delegacia de Menores para serem ouvidos. De acordo com a delegada que acompanha o caso, Tatiana Carvalho Paiva, o grupo estava com os ânimos exaltados. “Já havia uma rivalidade a quase um ano entre vítima e suspeita, mas não havia ocorrido nenhum procedimento envolvendo Boletim de Ocorrência”, disse. Ainda segundo Tatiana o caso foi considerado como lesão corporal gravíssima e o caso vai ser levado para o Ministério Público. “O fato causou também danos estéticos a menina e será necessário cirurgia para reparação da orelha”, concluiu a delegada.   G1

Veja também:

Apoio:

Alexandre Santos Gomes advogado em Capinópolis

Bloqueador de Publicidade

Detectamos um bloqueador de publicidade no seu navegador. Por gentileza, apoie o jornalismo independente brasileiro

Refresh

error: A cópia do conteúdo do Tudo Em Dia é proibida