Bens do grupo João Lyra devem passar por avaliação para posterior venda

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
divulgação
divulgação

CAPINÓPOLIS, PONTAL MINEIRO – A novela que conta os capítulos da triste história do grupo João Lyra tem mais um desfecho. Atendendo pedido do administrador judicial da massa falida Laginha Agro Industrial S/A., Carlos Franco, o juiz autorizou a contração de uma empresa para avaliar os bens do Grupo JL para uma posterior venda.

Segundo  informações não oficiais, Ademar Fiel, que havia sido nomeado administrador da massa falida, não resistiu à grande pressão e renunciou.

A venda dos bens do grupo garantirá a quitação de salários de colaboradores e alguns credores que totalizam um crédito de aproximadamente R$ 1,2 Milhões. Cerca de R$ 14 Milhões serão depositados em juízo pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) referente a subvenção do etanol que o grupo João Lyra tem direito.

 O juiz Mauro Baldini, da Comarca de Coruripe, também autorizou a alienação de um helicóptero do grupo JL.

Veja também:

Apoio:

Alexandre Santos Gomes advogado em Capinópolis

Bloqueador de Publicidade

Detectamos um bloqueador de publicidade no seu navegador. Por gentileza, apoie o jornalismo independente brasileiro

Refresh

error: A cópia do conteúdo do Tudo Em Dia é proibida