Capinópolis: vereador fala sobre acusações de posse ilegal de arma e exploração sexual

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Capinópolis, Minas Gerais. O vereador Manoel Porfírio Neto (PSB), conhecido como Neto, cedeu entrevista ao Tudo Em Dia nesta segunda-feira (01.nov.2021). O vereador nega as acusações apresentadas durante a operação Vetus II, que foi desencadeada pelo Ministério Público do Estado de Minas Gerais — MPMG. O vereador foi preso no dia 28 de outubro.

Na manhã desta segunda-feira, o vereador também usou a tribuna do Legislativo capinopolense para se defender das acusações.

Edilamar Nogueira Borges, que flagrou o idoso Paulo César Ribeiro no chão do lar de idosos, também cedeu entrevista ao jornalista Paulo Braga. Dila, como é conhecida, deu detalhes que a motivou a filmar o idoso no chão no dia 12 de outubro.

Segundo o vereador Manoel Neto, o idoso estava em um colchão e teria rolado. A versão é contestada por Dila, que afirmou à reportagem que não havia colchão para idoso.

wp 1635458245646.jpg
Imagem mostra o Paulo César Ribeiro caído ao chão. Ele era proprietário do local onde foi instalada a casa de prostituição dirigida pelo vereador. Ele veio a óbito dias depois | Foto: Captura de vídeo

Paulo César Ribeiro, conhecido como César, faleceu no domingo (24.out.2021) — doze dias após ter sido flagrado no chão do lar de idosos.

O vereador Manoel Neto não recusou nenhuma pergunta durante a entrevista. Afirmou que a arma de fogo e as duas réplicas eram do idoso falecido.

No dia da operação, algumas mulheres que eram exploradas, foram encaminhadas à delegacia para prestarem depoimento, sendo liberadas em seguida.

Ainda de acordo como vereador, ele não mantém uma casa de prostituição, e sim, um motel.

Veja também:

Apoio:

Alexandre Santos Gomes advogado em Capinópolis

Bloqueador de Publicidade

Detectamos um bloqueador de publicidade no seu navegador. Por gentileza, apoie o jornalismo independente brasileiro

Refresh

error: A cópia do conteúdo do Tudo Em Dia é proibida