Educação terá R$ 104 milhões de investimento em 30 meses

Recurso será utilizado para construção e equipagem de 10 novas escolas de atendimento integral. Objetivo é erradicar o analfabetismo funcional e aumentar o índice do Ideb
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

A educação em Betim receberá um investimento de R$ 104 milhões nos próximos 30 meses. O recurso, cuja maior parte é resultado de uma parceria firmada entre a Prefeitura de Betim e Governo de Minas Gerais na última quarta-feira (26), permitirá uma transformação no ensino fundamental da cidade, com a construção e equipagem de dez novas escolas de alto padrão de estrutura, que vão oferecer atendimento integral aos estudantes. 

O objetivo, segundo a prefeitura ao aderir ao projeto estadual Mãos Dadas, é erradicar o analfabetismo funcional – que atingia 5.800 betinenses em 2016 – e elevar o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). 

Segundo a Prefeitura de Betim, serão investidos R$ 86 milhões para a construção de escolas, R$ 18 milhões para aquisição de equipamentos. Serão R$ 69 milhões do Estado, R$ 17 milhões do município, R$ 8 milhões de contrapartidas e R$ 10 milhões do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). 

Com o término dessas obras, previstas para dezembro de 2023, Betim terá gerado 12 mil vagas de excelência no ensino fundamental (hoje são mais de 40 mil alunos matriculados) e mais 6.000 vagas de ensino integral, totalizando 18 mil vagas daqui a dois anos. Portanto, serão investidos pelo município e Estado R$ 5.780 por vaga. 

O prefeito de Betim, Vittorio Medioli, destacou que esse será o maior passo que está sendo dado na educação no município. 
“Betim vai investir, nos próximos 30 meses, R$ 104 milhões na educação para erradicação do analfabetismo funcional, que são aquelas pessoas que saem com 14 anos do ensino fundamental sem preparo o suficiente e que, por isso, perdem oportunidade de encontrar emprego e continuar os estudos. Isso faz com que muitos desses jovens acabem entrando na marginalidade. Hoje, o nosso sistema prisional, por exemplo, chega a ter 95% de pessoas classificadas como analfabetos funcionais. Portanto, a construção dessas dez escolas em tempo integral atenderá exatamente a quantidade de alunos que podem se tornar analfabetos funcionais potenciais. O tempo integral fortalecerá a capacidade de aprendizado e oferecer novas oportunidades para a convivência também com demais alunos”, ressaltou. 

Com a adesão de Betim ao Mãos Dadas, cerca de 3.500 estudantes que atualmente estão matriculados em 15 escolas estaduais passarão para a gestão do município no próximo ano. Eles continuarão matriculados na rede estadual até que as obras das novas escolas estejam concluídas e terão suas vagas garantidas. A adesão ao projeto resulta na transferência total ao município da gestão administrativa, financeira e operacional no atendimento dos anos iniciais do ensino fundamental.

“Recebemos do Estado a proposta de absorver 3.500 alunos do 1º ao 5º ano do ensino fundamental. Essa proposta, no entanto, não atendia as demandas da cidade. Apresentamos, então, um plano alternativo que, além de absorver estes alunos, prevê a eliminação do analfabetismo funcional. Vamos gerar 12 mil novas vagas com pelo menos 6 mil em tempo integral, com um novo modelo de escola que fornece espaço e condições adequadas a crianças em diferentes níveis de aprendizado”, concluiu Medioli.

Veja também:

Apoio:

Alexandre Santos Gomes advogado em Capinópolis

Bloqueador de Publicidade

Detectamos um bloqueador de publicidade no seu navegador. Por gentileza, apoie o jornalismo independente brasileiro

Refresh

error: A cópia do conteúdo do Tudo Em Dia é proibida