Peça teatral que discute feminicídio abre temporada em São Paulo

Baseado em casos reais ocorridos na Argentina na década de 80 do século 20, o livro Garotas Mortas, de Selva Almada, serviu de inspiração para uma peça teatral que aborda a questão do feminicídio e fica em cartaz no Teatro Cacilda Becker, em São Paul...
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Baseado em casos reais ocorridos na Argentina na década de 80 do século 20, o livro Garotas Mortas, de Selva Almada, serviu de inspiração para uma peça teatral que aborda a questão do feminicídio e fica em cartaz no Teatro Cacilda Becker, em São Paulo, até 24 de julho.

No livro, são contadas três histórias que permanecem sem solução: a de duas adolescentes assassinadas e a de uma mulher, que já era mãe e desapareceu há muitos anos. A escritora argentina usou os três casos para construir uma narrativa de não ficção, em primeira pessoa, para abordar a violência contra a mulher.

A adaptação da narrativa para o teatro é assinada pela coletiva Palabreria, encabeçada pelas artistas pesquisadoras Fernanda Machado, Luiza Romão e Sofia Boito.

A peça apresenta Andrea, adolescente apunhalada no coração enquanto dormia, e Maria Luisa, que foi estuprada e estrangulada, além de Sarita, uma prostituta que tinha um filho e que desapareceu, sem deixar vestígios. Na adaptação, as artistas pensaram em usar uma linguagem de teatro-cinema, fazendo com que palco e cena estejam sempre em diálogo e projeções se mesclem ao ambiente da cena.

Como no livro, o espetáculo teatral é composto por diferentes registros narrativos e, para cada um, foi criada uma linguagem audiovisual, com o uso de imagens de arquivo. Como na escrita, a peça busca também discutir a violência contra a mulher latino-americana. “Nosso intuito é pensar como essas histórias específicas, contadas no livro, revelam uma violência de gênero estrutural, com dimensões continentais, e que continua matando milhares de mulheres”, disseram as autoras da adaptação.

“A característica principal do feminicídio é que são casos que excedem o policial porque não são delitos comuns. Por isso, têm um nome específico: feminicídio, e não homicídio, ou crimes passionais, como se dizia há pouco tempo na Argentina”, disse a escritora Selva Almada em entrevista ao programa Trilha de Letras, da EBC. A entrevista completa, que trata de feminicídio, pode ser assistida no site da TV Brasil.

A peça teatral Garotas Mortas tem entrada gratuita, e os ingressos devem ser retirados uma hora antes do espetáculo. As sessões são às quintas, sextas e sábados, às 21h e aos domingos, às 19h.

Veja também:

Apoio:

Alexandre Santos Gomes advogado em Capinópolis

Bloqueador de Publicidade

Detectamos um bloqueador de publicidade no seu navegador. Por gentileza, apoie o jornalismo independente brasileiro

Refresh

error: A cópia do conteúdo do Tudo Em Dia é proibida