Rede de proteção à mulher e às minorias é criada em Capinópolis

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Capinópolis, Minas Gerais. A sociedade organizada acaba de dar um passo fundamental no combate à violência contra a mulher, abusos sexuais, xenofobia, homofobia e em favor dos direitos das minorias. Foi inaugurado na manhã desta sexta-feira (27.ago.2021), o cartório da Rede de Enfrentamento à Violência Doméstica de Capinópolis – REEVIDO.

Assista à reportagem:

Instalada na Delegacia da Polícia Civil de Capinópolis, na Avenida 107 com 104 e 106, a REEVIDO foi inaugurada e celebrada por personalidades que mantêm um trabalho relevante em defesa da sociedade capinopolense.

A rede de proteção conta com amparo do Poder Executivo, Polícia Militar, Polícia Civil, Ministério Público e OAB. Qualquer ponto da rede pode ser acionado para denúncia.

Carlos Neto, colaborador do município e estudante de direito, estará à frente da REEVIDO, recebendo e orientando as vítimas de agressão.

O telefone de atendimento da Reevido é: (34) 9.9870-7374.

A reforma da sala e mobiliário foram viabilizados com recursos do Conselho Comunitário de Segurança Pública — Consep.

Doutora Maria Carolina, promotora de Justiça, destacou a importância da rede de proteção para as mulheres e minorias.

“Muitas vezes a mulher sabe, ela tem consciência de que a violência é algo presente na vida dela. A violência não é só física, é emocional, é patrimonial, é sexual, é violência moral. As mulheres precisam saber que agora, aqui em Capinópolis, estamos organizados para acolher todos os tipos de violência. Essa sensibilidade já esta agora, colocada em prática. Estamos em tempos de pandemia, a violência cresceu exponencialmente dentro dos lares. Então, as mulheres precisam saber que elas tem com quem contar”, frisou a promotora.

Valéria Rampazzo destacou que a Secretaria de Desenvolvimento Social fornece apoio às mulheres vítimas de violência e que mantém um laço de dependência financeira com o agressor. “Nós temos a equipe especializada, que é o núcleo de proteção, com psicóloga e assistente social, e elas estão preparadas para acolher essas mulheres, para dar as orientações, o que o município pode estar ofertando a elas, principalmente o apoio moral. Elas chegam destruídas emocionalmente, e às vezes não sabem o que fazer, principalmente por esta questão do apoio financeiro”.

Doutor André Valderramas Franco, promotor de Justiça, afirmou a importância do projeto. “Este tipo de projeto é muito importante, obviamente, para reprimir as violências que já ocorreram, então, sancionar os devidos agressores devidamente, mas também, para prevenir, para que haja uma ressocialização daquele agressor, para que ele compreenda os motivos que o levou a realizar aqueles atos prejudiciais ao seu familiar ou convivente”.

O vereador Edwardão, um dos executores do projeto, frisou que a rede de amparo está preparada para receber vítimas de vários tipos de violência. “Nós estamos aqui no cartório, a sala de atendimento às vitimas domesticas, que são as mulheres ou qualquer outro tipo de vítima que seja de outro gênero. E também às vulneráveis — as crianças, os adolescentes, na condição de abuso sexual. Aos negros, nordestinos e índios, sobre a questão de raça”.

Miramar Mendes, educadora, ressaltou a importância de um lar livre da violência doméstica. “A violência doméstica, ela é a raiz de todas as demais violências. A criança cresce vendo essa violência, e também sofrendo essa violência, e nós como educadores, vivemos muitas situações. É preciso trabalhar essa educação com as crianças”, disse Miramar.

Cibele Parreira, idealizadora do projeto, direcionou sua mensagem às mulheres vítimas de violência. “Em Capinópolis você tem a Reevido — a Rede de Enfrentamento à Violência Doméstica. Aqui a mulher tem voz, aqui você chega e é atendida. O atendimento é humanizado. Você não precisa ter medo ou vergonha, nada do que acontece com você é sua culpa. Aqui você vai aprender a se posicionar e fazer com que seus sonhos sejam realizados. Venha conhecer a Reevido. Em Capinópolis, a mulher tem um tratamento diferenciado”.

O evento também marcou a despedida do doutor Cleiton Viana, delegado da Polícia Civil que atuou com um grande parceiro de Capinópolis na defesa dos direitos da sociedade, além de desempenhar um papel fundamental na segurança pública. “Já tem dezessete anos que estou na Polícia Civil. Capinópolis, representou para mim, uma mudanças de paradigma no relacionamento humano. As pessoas, aqui, se interessam pelas causas que são comuns. Aqui tem um Consep muito atuante, uma sociedade organizada que apoia, entende que o estado tem dificuldades de exercer sua função e ocupa este espaço”, disse o delegado, que já atua na cidade de Monte Alegre de Minas.

Doutor Leonardo Spínola de Oliveira assume o posto de delegado na Comarca de Capinópolis.

Doutor Cleiton recebeu uma moção de aplausos da Câmara Municipal de Capinópolis.

Maria Lenice representou o Consep; Cleidimar Zanotto e Letícia Souza representaram os Poderes Executivo e Legislativo; Tenente Paulo Sérgio e o delegado Leornardo Spínola representam a Polícia Militar e a Polícia Civil.

Fotos:

Veja também:

Apoio:

Alexandre Santos Gomes advogado em Capinópolis

Bloqueador de Publicidade

Detectamos um bloqueador de publicidade no seu navegador. Por gentileza, apoie o jornalismo independente brasileiro

Refresh

error: A cópia do conteúdo do Tudo Em Dia é proibida