Ex-juiz Nicolau tem primeira condenação definitiva

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Nicolau dos Santos Neto

Após 14 anos do surgimento do escândalo de desvios de dinheiro da obra do Fórum Trabalhista de São Paulo, o ex-juiz Nicolau dos Santos Neto, 84, teve nesta terça-feira (2) a sua primeira condenação definitiva decretada.

O Supremo Tribunal Federal emitiu certidão de trânsito em julgado (sem possibilidade de recurso) de uma condenação do ex-juiz por lavagem de dinheiro. A pena deste caso é de nove anos de prisão, perda de bens e multa de R$ 600 mil.

O ex-juiz já recebeu outras condenações que, somadas, chegaram a 48 anos de prisão. Desse total, 14 anos já prescreveram. Ele foi condenado por crimes como peculato, estelionato e corrupção passiva.

No dia 25 de março, o ex-juiz foi levado para a carceragem da Polícia Federal em São Paulo após decisão da Justiça de revogar sua prisão domiciliar. Dias depois, ele foi transferido para o presídio de Tremembé.

Nicolau estava preso em sua casa no Morumbi, zona oeste de São Paulo, desde 2007.

A estimativa na época do escândalo é que o desvio tenha chegado a R$ 170 milhões. Ex-presidente do TRT (Tribunal Regional do Trabalho), ele dirigia a comissão de obras do fórum, em 1992.

A defesa do ex-juiz foi procurada na noite de hoje, mas não foi localizada.

O CASO

Em 1992, o TRT-SP iniciou licitação para construir o Fórum Trabalhista na Barra Funda (zona oeste da capital). A construtora Incal venceu a licitação e se associou ao empresário Fábio Monteiro de Barros.

Em 98, auditoria do Ministério Público apontou que só 64% da obra do fórum havia sido concluída, mas que 98% dos recursos haviam sido liberados.

A obra do fórum foi abandonada em outubro de 98, um mês após o então juiz Nicolau dos Santos Neto deixar a comissão responsável pela construção.

Uma CPI na Câmara investigou a obra em 99. A quebra dos sigilos mostrou pagamentos vultosos das empresas de Fábio Monteiro de Barros, da Incal, ao Grupo OK, do ex-senador Luiz Estevão.

Durante as investigações, foi descoberto um contrato que transferia 90% das ações da Incal para o Grupo OK.

O ex-senador teve o mandato cassado no ano 2000.

Em setembro do ano passado, a Justiça da Suíça autorizou a repatriação de US$ 6,8 milhões que estavam bloqueados, desde 1999, na conta do juiz aposentado.

Veja também:

Apoio:

Alexandre Santos Gomes advogado em Capinópolis

Bloqueador de Publicidade

Detectamos um bloqueador de publicidade no seu navegador. Por gentileza, apoie o jornalismo independente brasileiro

Refresh

error: A cópia do conteúdo do Tudo Em Dia é proibida